segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

A ÚLTIMA ROSA!


Desde o mês de Outubro que andava intrigado com o que via no meu jardim!... A curiosidade nasceu por me ter apercebido de que as roseiras estavam a resistir bem nos meados do Outono, aliás, como é habitual, mas uma novidade aparecia pela primeira vez! Os botões sucediam uns a seguir aos outros e não davam sinais de parar e assim continuou por Dezembro dentro e o facto aguçou a minha curiosidade e procurei saber se o insólito estaria a suceder nos demais jardins desta vasta zona do litoral nortenho! Foi então que me apercebi, que em todos os jardins o "fenómeno" era do mesmo teor e veio-me à lembrança muito do que tem sido dito e comentado por cientistas, que, vão avisando, haver sinais claros de que no nosso planeta estarão a dar-se alguns acontecimentos - e citam o degelo das calotes polares - que irão provocar alterações significativas nos climas que conhecíamos como estáveis e que nem sequer sonhávamos que até poderiam eventualmente mudar nas quatro estações definidas há largas décadas...
Naturalmente, que a quase generalidade das pessoas gostam do que é belo e as flores estão no rol do que de mais bonito acontece nos jardins e fora deles, porque é comum ver nos campos e até nos montes de baixa altitude, sobretudo junto às margens de rios e ribeiros uma variedade de plantas e arbustos autóctones, que, na altura de florir, transmitem cores alegres, algumas bem berrantes, que vão do vermelho ao amarelo mais torrado, passando por tons de rosa mais claro e por diversos tons de azul, bem bonitos por sinal, embora o branco apareça em tudo quanto é lugar, mas sem dar tanto nas vistas... Diz quem sabe, que esta Natureza das plantas e das flores, não se veio instalar por cá para satisfação do Homem, mas que o fez muito antes para ir ao encontro das necessidades das aves e dos insectos, e, porque teria também interesse, nos serviços que estes lhes poderiam prestar!... Se for o caso, nada a dizer e que se entendam como sempre fizeram, aliás, fazem-no e bem, há milhões de anos...
Como chegámos ao planeta muito recentemente podemos desde logo inebriar-nos com tanta cor à solta, ao perto e ao longe, desfrutar dos sabores e dos cheiros e só não aproveitamos de mais benefícios por falta de conhecimentos duma flora, que não sabe comunicar connosco e que será o grande obstáculo para que se fizesse mais cedo luz e com proveitos para ambos os lados, e, possivelmente, com mais vantagens para o lado dos humanos.
Os nossos amigos dos blogues pouco dizem sobre estes temas comportamentais da flora e só o Virgílio "vibra" a sério com as coisas do ambiente e as fotos confirmam-no! Será dos mais ecléticos pela variedade de temas, e, até o vimos preocupado, com os restauros do interior das capelas e dos altares! Digno esforço deste homem que já foi marinheiro e que em terra também gosta de cumprir e "chateia-se", porque outros não cumprem!...
O Carlos e o Valdemar Ferreira têm médias muito altas de produtividade, verdade seja dita, mas os temas sobre a nossa sociedade ocupam-nos permanentemente e não é possível chegar a todo o lado! Melhor é quase impossível...
O Eduardo Nunes que muito nos teria a contar do Alentejo, além das anedotas, claro, porque já só vive as "boas memórias" por ter deixado um pouco cedo aquelas terras a que alguém chamara "o celeiro de Portugal", mas que se ficaram pelas intenções, infelizmente ainda sem cumprir...
Do Agostinho Verde apreciamos os poemas e o jeito para a sátira bem construída de raiz e que "não dá ponto sem nó" ao não deixar o objectivo por definir ou dúbio... Temos imensa pena de não podermos contar mais com a sua escrita, mas haverá razões e só teremos que as aceitar.
Se somos ou éramos um país de marinheiros teremos de os ter espalhados pelos cantos todos da Terra, não para segurar o Império, mas para cumprir com a missão que os novos tempos exigiram deles! É assim com o Artur Leiria e com o Valdemar Alves, bem distanciados um do outro, mas com a genica dos antigos marinheiros, que, nota-se e bem, pelo que vamos lendo!...O Artur Leiria porque gosta de comunicar, arranja ainda algum tempo livre e sente-se que não tem espartilhos e essa faceta coloca-o à vontade para introduzir temas e pontos de vista diversos das sociedades por este mundo além e a isto é usual apelidar de diversidade e de plural... Já o Valdemar fica-se mais pelos comentários, porque não terá todo o tempo do mundo, mas diz muito em pouco espaço e é fácil perceber que temos ali um homem com uma real história de vida para nos contar que deixaria alguns de nós um tanto pasmados e quase incrédulos!...
Bem, mas o que me trouxe até vós, se estais lembrados, foi a "última rosa" que lá continua no meu jardim, agora um pouco mais aberta e virada ao nascente, como que a ensinar, quem ainda não sabe, que é dali, daquela banda, que chega a luz e o calor, a fonte que está na origem da vida de tudo o que nasce neste planeta e a roseira-mãe sente, que a sua última flor irá perder-se muito em breve, mas traz dentro de si a esperança de que lá para Maio próximo o ciclo irá repetir-se e os botões de rosa, sempre vermelhos, surgirão sequencialmente, e, já agora, ficamos curiosos e à espera que no final de Dezembro do próximo ano, tenhamos no jardim não uma rosa, mas duas lindas rosas vermelhas!...

Nota: Se fosse possível enviava aos meus sinceros amigos a última rosa do meu jardim!...

sábado, 20 de novembro de 2010

Inseguro, mas Porquê?!...

Foi já há vários dias que tivemos a oportunidade, não muito rara, de ouvir um homem do interior duriense e que me pareceu ocupar lugar de alguma responsabilidade, trazer à baila, ou ao conhecimento da Nação, a sua inquietação quanto ao futuro de toda a zona do Alto Douro, mais conhecida por Douro vinhateiro, e, que, muito justamente, foi considerada como património mundial! Dizia o sujeito, no fundamental, que todo aquela riqueza das vinhas em socalco, corriam sério risco de desaparecer, e, se, mais tempo de antena tivesse, ainda íamos ter pena do homem, tal a lamechice continuada, como se andássemos a "ver passar os comboios"!...
Logo à partida e para começar não percebemos qual a finalidade de tais lamentações, porque temos até grande dificuldade em perceber todo aquele quadro negro que pretendeu passar para todo o país... E não é para alimentar polémicas, que, geralmente, não passam disso e não têm resultados práticos para as pessoas e para as regiões!
O que não dá para perceber é onde estão os grandes futuros males de uma das regiões do interior com mais sucesso, onde se investe há centenas de anos, como é do conhecimento geral nas vinhas e vinhos de altíssima qualidade, onde os ingleses, portugueses e outros se instalaram e continuam sem queixumes, porque foram bem sucedidos, naturalmente... Achamos muito estranho, tais lamentos em relação ao futuro, quando com o mundo global que aí está, até os chineses e outros povos poderão ser futuros clientes de uma bebida, que, se mantiver a qualidade, não correrá riscos...
Já para não falar no turismo, que continuará a "vender" e ninguém desconhecerá que a navegabilidade do rio Douro foi um novo maná para o Alto Douro! Surpreendeu-nos o facto do cavalheiro nem sequer ter falado nesta nova realidade, e, já agora, que "estamos com a mão na massa", é justo que se diga, aqui e agora, que as gentes do Baixo Douro, que em nada terão beneficiado com a navegabilidade do rio, nem um queixume lhes temos ouvido nas televisões, nos jornais ou na rádio, sabendo nós, que do lado de quem beneficiou, não há a coragem de querer ver, por egoísmo exacerbado e ridículo, que toda aquela zona deveria ter acesso a contra-partidas, mas, infelizmente, mesmo num país livre e democrático, é muito raro valorizar quem é digno, leal e correcto!
Entendemos que é o momento certo para recordar, aqui e agora, que no seio deste povo, há quem queira continuar a olhar grande parte dos dias - quase não dormem - para o seu umbigo, mesmo depois de terem sido contemplados com ajudas estatais, julgando-se uns senhores da República, que têm de ser acarinhados, mas é preciso relembrar esta gente com alguma rudeza, se necessário, que terá chegado a hora de retribuir a favor de um país, que acabou cansado de dar tanto e sempre em favor de quem nem isso reconhece!... Haja sentido pátrio, ou será preciso legislar sobre tão evidente matéria?!

Etiquetas: Alto Douro, vinho do Porto, turismo, rio Douro, socalcos de vinhas, património mundial, gentes ribeirinhas, Baixo Douro.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Surpresa, ou talvez não!...

Percebe-se, ou melhor, sente-se um rebuliço enorme no mundo financeiro e a agitação vai de um extremo ao outro do planeta, e, parece, que, já não haverá grandes dúvidas das grandes alterações nas maiores economias mundiais, e, fala-se até, numa troca de lugares para os próximos tempos entre a poderosa América e a China, quando, até se sabe, que este colosso do Oriente detém uma boa parte da dívida externa americana... É já um bom começo, para os dirigentes chineses, claro!
Entretanto, as últimas novas vêm lá dos confins do planeta e queremos acreditar que terão deixado muito boa gente de "cara à banda", porque não esperariam que Timor Leste, pela voz do seu presidente, seja mais um dos candidatos a comprar parte da dívida ao estado português!... Então, este não é aquele pequeno país que há tão pouco tempo teve graves problemas após a descolonização, devido à ocupação indonésia e à divisão interna que se gerou com a criação dos vários partidos políticos a favor da integração na vizinha Indonésia, enquanto a Fretilin mantinha o seu grito de "indepedência ou morte"?!... Este, não é aquele pequeno país, despido de quaisquer estruturas, que só sobrevive com as ajudas externas da ONU, do antigo país colonizador que foi Portugal e de outros países desenvolvidos?! Nem nos compete "meter foice em seara alheia", quem somos nós para o fazer, mas como somos português e não temos a memória curta, ainda trazemos bem presente, como se vivia nas aldeias, ali, junto das margens do Douro no final dos anos quarenta e décadas que se lhe seguiram!... Aquilo era como que uma espécie de "fado triste" e repetido até à exaustão, sem queixume, aparentemente, e sem protestos, daquelas boas gentes a quem o analfabetismo tolhera o descernimento, tornando a vidinha fácil a quem lá longe na capital do Império manobrava a bel-prazer, ano após ano, e, por via disso, apetece-nos "trazer à baila" o velho ditado popular, quase gasto e meio esquecido e que "rezava" assim:- «Os meus burrinhos é que me fazem doutor!...»
Esta "cena", como diz a "malta" deste novo tempo, durou tempos infinitos e pagou-se uma factura quase impossível de contabilizar, uma vez que várias gerações trabalharam toda uma vida com direitos mínimos e insuficientes e a troco de miseráveis salários! Este ciclo era repetitivo, e, no entanto, "falava-se à boca pequena", que os cofres do Estado estavam cheios de dinheiro e de barras de ouro, mas que nunca se abriram, nem por uma vez, a favor de um povo que merecia "sair da cepa torta" e rumar a uma vida mais digna, mais humanizada!...
Será que a História irá repetir-se, agora, lá longe, naquele pequeno país "encravado" entre as ilhas Indonésias e a grande Austrália e que dá pelo nome de Timor-Leste e que traduzido para a língua maubere dá Timor Lorosae?!...
Pela parte que nos toca, desejamos ao povo maubere um futuro digno desse nome, mas não há "fogo sem fumo", e, se às notícias, que já vieram a público, juntarmos algumas das nossas más experiências de tempos mais antigos, teríamos como resultado um "caldinho" bem difícil de tragar para os timorenses!...

Etiquetas: Timor Loro Sae, economia mundial, descolonização, ONU, Austrália, Indonésia, povo maubere, petróleo.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O NOSSO RECONHECIMENTO!

Achamos muito curioso, termos acordado hoje com o pensamento num facto já passado há alguns anos, que não mais esqueceremos e que nos deixou pensativo para o resto da vida e queremos acreditar que naquele dia nem fomos capaz de perceber o alcance do que nos estaria a acontecer... Mas passemos à história:
« Entre 1998 e 2006 o nosso desempenho profissional repartiu-se um pouco por este país industrial e viemos a conhecer uma boa parte das zonas industriais, onde pontificam médias e sobretudo pequenas empresas do sector metalúrgico. Isto, equivale a dizer, que contactamos com muitas pessoas do mundo do trabalho e estamos a englobar trabalhadores, quadros intermédios e também patrões, com quem mantivemos relacionamento de âmbito profissional e que nos ajudaram a compreender, um pouco melhor, as realidades deste nosso país no sector industrial privado!
Decorria o ano de 2002 e fomos solicitado para executar uma tarefa numa zona industrial próxima do tão falado IC 19, e, enquanto reparávamos umas deficiências no sistema automático de uma máquina de corte, pudemos estabelecer um relacionamento profissional com um jovem engenheiro, que se encontrava nessa mesma empresa com idêntico motivo ao nosso, ou seja, apoiar os seus clientes no sector das vendas e dando ainda apoio técnico... Ficamos a saber, que este jovem engenheiro tinha muitos clientes em toda as zonas industriais da grande Lisboa e na margem sul do Tejo até à península de Setúbal!
Decorrido um ano ou pouco mais deste nosso primeiro encontro profissional, fomos destacado para montar uma máquina automática numa zona industrial próximo de Palmela e dispúnhamos de uns três dias para executar a tarefa, sabendo que ia ser um trabalho cansativo só para um profissional, porque se tratava de uma máquina de três módulos e com cerca de 22 metros... Ao 3º dia, uma sexta-feira e já com tudo devidamente alinhado e fixo ao piso do pavilhão, só faltava a parte final e que passava por programar todo o sistema e passar esses conhecimentos a um profissional dessa empresa, como "rezava" no contrato... Sucedeu, que estávamos arrasado física e intelectualmente e por volta das quatro horas dessa sexta-feira, já nem conseguíamos programar o sistema de medida automático e corríamos o risco de ter de continuar no dia seguinte, que era um sábado, e, esse atraso, iria complicar parte dos nossos planos de trabalho para a semana seguinte.
Aproximava-se as cinco horas da tarde e estávamos tão absorvido com a nossa última tarefa, quando somos surpreendido com a chegada do tal jovem engenheiro, que, por casualidade, estava de passagem e que logo se abeirou para nos cumprimentar ao mesmo tempo que observava a maquinaria já montada, e, é aqui, que lhe damos a saber do esforço e desgaste que estávamos a ter na parte final do nosso trabalho... Ao perceber o nosso estado de espírito, aquele jovem engenheiro tomou em mãos o pequeno manual e em cerca de quinze minutos, terminou aquilo que nós já não conseguiríamos fazer!... Ficou ainda ao nosso lado a assistir ao arranque da máquina e despediu-se todo sorridente, enquanto dávamos as últimas explicações e entregávamos o equipamento!...
Ainda voltamos mais vezes a empresas nossas clientes nas diversas zonas industriais da grande Lisboa, mas nunca mais nos encontramos! Viemos a saber, que abraçara um novo projecto para que fora convidado e ainda nos recordamos que estaria casado com uma moça holandesa e que trabalharia na embaixada da Holanda em Lisboa...
Ficamos com a certeza, isso sim, de que este jovem engenheiro português, que terá agora cerca de quarenta anos, ou um pouco mais, estará a ter o sucesso profissional que merece, e, não nos larga uma vontade enorme de poder ainda agora repetir-lhe, que temos bem gravado o gesto solidário que teve para connosco e quanto ficamos reconhecido pela sua ajuda. Bem haja!

Etiquetas: automatismos, sector metalúrgico, IC 19, Palmela, engenharia, solidariedade, reconhecimento, Lisboa, Setúbal, embaixadas.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Ser ou Parecer!

Mal a 2ª Guerra Mundial terminou repararam-se os muitos estragos daí derivados ao mesmo tempo que era incentivado um desenvolvimento sem precedentes nos diversos campos científicos, que não mais pararia, aproveitando os conhecimentos já adquiridos, sabendo-se que em tempos de paz as condições seriam as ideais para aperfeiçoamentos e para novas descobertas! Era já evidente, que as nações iriam ficar alinhadas de acordo com os seus interesses e conveniências, como sempre acontecera até então , e, por via disso, investiu-se muito em armas para futuras guerras, ou como "medidas dissuasoras", um termo tão do agrado de alguns estrategas militares...
Entretanto, alguns milhões de pessoas e que pertencem a sociedades mais primitivas, nem se aperceberam de semelhante guerra, nem tão pouco da evolução despoletada pelas ciências após essa mesma guerra e não foram só os índios por toda a Amazónia, mas também outras civilizações primitivas e que vivem em ilhas e continentes isoladas do resto do mundo, e, que, ainda hoje, nem imaginam outros mundos financeiros e cotados em bolsa e que suportam arsenais com armas de destruição maciça.
Felizmente, que neste mundo "mais esclarecido" dos humanos, ainda acontece de tudo um pouco e até vamos encontrar quem se "desvie" para objectivos mais nobres, onde o conhecimento é bem vindo e onde se está bem mais próximo da tão ambicionada felicidade terrena!
É ao redor de todo este contexto, que ainda é possível deparar com pessoas bem formadas academicamente e que decidem "cortar" com o "belíssimo futuro" que os seus abastados progenitores lhes haviam reservado a partir de um berço com cores douradas, não permitindo sequer, que, após a sua formação académica, esses seus queridos familiares continuassem a ser os tutores dos seus sonhos...
É assim, que registamos o exemplo daquela jovem, que decidiu autonomamente enveredar pela pesquisa laboratorial e pela procura, algures no fundo dos oceanos para algumas das boas respostas que a ciência poderá vir a dar a toda a humanidade ainda no século XXI!
Também foi gratificante conhecer a decisão daquele outro jovem com pais super-ricos e que decidiu formar-se numa área que o traz permanentemente em contacto com povos e culturas diversas para depois levar às televisões, às revistas e aos jornais de maior renome, os acontecimentos que fazem dele um verdadeiro cidadão do mundo!...
Fazer este tipo de opções, tendo a noção exacta do elevado escalão da sociedade de que faziam parte, não estará ao alcance de todos os mortais! Sabemos pela experiência, que a esmagadora maioria de nós humanos correria atrás de uma carreira de executivo, onde passaria uma boa parte das vinte e quatro horas de cada dia em reuniões fastidiosas para conseguir o êxito em negócios com muitos números, e, onde vale quase tudo, para ajudar a manter um nome que seja conhecido e reconhecido na praça dos financeiros e de preferência com chorudas contas bancárias em off-shores, porque a "esperteza", já agora, deverá ser levada até às últimas consequências...
Estamos a falar de alguma gente, que nada tem a ver com os bons exemplos que mencionámos lá atrás, e, que, regra geral, vem do mundo das dificuldades e que procura dar nas vistas a qualquer preço e se presta a "aplicar" com "empenho", alguns "truques" até à exaustão... Só que a experiência tem mostrado, que, passados alguns anos, uma boa parte destes deslumbrados "sonharam alto demais" e o descalabro foi fatal, mas não haveria emenda possível, porque continuaram a repudiar as suas boas origens, e, nem aceitam, que se lhes recorde, as primeiras aulas em que tomaram parte depois de se sentarem desconfortavelmente nos bancos da modesta escola lá da aldeia, onde aprenderam as primeiras letras e uma tabuada dita e repetida em voz alta por toda a classe, e, sob o olhar sério e quase intimidatório de um velho professor já cansado e à espera de uma reforma que tardava em chegar!...

-Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és!...

Etiquetas: sociedades, sonhos, deslumbramento, fatalismo, aldeias, ciência, progenitores, origens.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Desleixo que nos dá que Pensar!...

Fazemos parte duma sociedade que tem as suas regras a que vamos juntando os nossos princípios, adquiridos ao longo de toda uma vida, mas, que, por vezes, são "mandados às urtigas" só porque não nos convém, ou, porque, simplesmente, resolvemos resvalar para o erro, alegando desculpas esfarrapadas, como aquela, de que se os outros não cumprem, porque teremos nós de o fazer?!... Vai daí, puxamos dos "nossos galões" e sem sequer pensarmos um pouco, desatinamos a tomar atitudes feias, num sinal claro de falta de civismo e de desrespeito para com o ambiente, como se todo o mundo fosse culpado das nossas frustrações como humanos.
Por achar tratar-se de situações anómalas, que mostram claramente o estádio actual de uma franja significativa da nossa sociedade, achei, por bem, trazer ao vosso conhecimento dois episódios em que de alguma forma me vi envolvido e que gostaria de vos dar a saber! Cá vai:
- Um pouco afastado da casa onde moro estão colocados dois contentores do lixo, além dos três bidrões que todos nós conhecemos... Acontece, que tenho por hábito durante o trajecto até aos contentores, aproveitar por "limpar" as zonas envolventes por onde passo, porque não sou capaz de passar indiferente por um maço de cigarros já vazio e que fora arremessado para a berma, ou ignorar uma garrafita de plástico, ou uma lata de sumo, já vazias, sabendo que não perdi tempo algum com o meu gesto, uma vez que teria de efectuar aquele percurso até aos contentores...
Há alguns dias, um indivíduo bem adulto, que estava a observar o "ambiente" e de mãos nos bolsos, ao ver parte do meu "trabalho" reage desta maneira:- «... Não se incomode com isso, ninguém lhe agradece nada, "eles" que limpem, são "eles" que o ganham... Vê-se, que você é de bom tempo...»
Mas as coisas não se ficaram por aqui! Ontem, arrumei o lixo selectivo para os bidrões, mas fui surpreendido com a deslocação destes aparelhos para uma zona mais afastada sem aviso prévio... Naquele local, encontravam-se parados alguns operários da construção civil à espera do transporte depois de mais um dia de trabalho e questionei-os acerca da nova "morada" dos bidrões "desaparecidos"... Disseram-me, que tinham sido levados para o fundo da rua, mas foram peremptórios e unânimes a sugerir para que despejasse ali nos contentores gerais do lixo as garrafas, cartões e plásticos:- « É de bom tempo... Despeje aí e vá à sua vida... Isso é que era bom, ir agora até ao fundo, fazer mais outro caminho... tá bem tá... "eles" não merecem o sacrifício das pessoas... etc,etc,»
Claro, que levei a minha missão até ao fim e não seria por mais oitenta metros que deixaria de o fazer!...
Moral da história:- Nota-se em largos sectores da sociedade portuguesa uma falta de brio, de exigência ética à mistura com alguma raiva e tudo serve como "ajuste de contas", nem que seja deixar poluir as zonas próximas das nossas habitações... É verdade que há problemas sérios por resolver, mas mistura-se tudo e "paga o justo pelo pecador", um ditado popular muito usado pelas boas gentes das margens do Douro.
Com cabeças tão confusas e sem esperança, para onde caminha este povo?!...

Etiquetas: ambiente, princípios, ética, civismo, operários, justiça, missão, regiões...

sábado, 2 de outubro de 2010

A razão e o porquê do Neo-Realismo!...

Quem como nós foi ensinado a ler as obras de alguns dos mais sonantes do neo-realismo português, já quando éramos mais crescidinho, logo virou adepto e a explicação até é simples de perceber! Estamos a comentar uma escrita de uma época ainda bem próxima - meados do século vinte - que teria como objectivo "furar" um certo bloqueio, que havia tomado conta da vida deste país, que, não encontrava limites no seu âmbito e que atingiu a própria literatura - também ela controlada - duma forma acérrima, até finais dos anos sessenta, pelo que nos foi dado observar...
A escrita incisiva do mestre Aquilino, fez-nos compreender que éramos ainda um povo que "remava" contra a desdita e que punha a nu as dificuldades de um país rural e atrasado, devido ao abandono a que fora botado por um poder matreiro e ardiloso, onde se podia também ler, aqui e além, acerca de algumas referências que atestavam a existência de conceitos ainda enraizados nas cabeças de populares e que vinham dos primórdios e não eram outra coisa senão a pujança de um povo bastante antigo e experiente nas dificuldades, disposto a analisar e só depois a decidir! Como deveria ser!...
Entretanto, as décadas foram passando e já ninguém faz referências a Alves Redol ou a Soeiro Pereira Gomes, nem se sabe bem porquê, mas podemos pensar que poderá ter acontecido uma espécie de complexo, que terá atingido muitos portugueses, que adoptariam outras "modas", e, não quererão, agora, parar um pouco e olhar para trás para reflectir quem já fomos e como deveríamos ser! Será, talvez, por isso, que já não se discute os princípios que nos deveriam nortear como povo, antes preferem e adoram falar à volta de números - que muitos deles mal dominam - e que assentam em bases pouco sólidas, para não dizer falsas, pondo de lado um princípio bastante antigo e que nos diz:- « A mentira tem perna curta!» Na verdade é uma missão quase impossível, nos dias que correm, "tentar tapar o Sol com a peneira", porque com os meios que estão no terreno, mais hora menos hora, as agências noticiosas põem cá para fora não só as notícias, mas até os comentários... Só que a mediocridade é tamanha, que não dá para ver a figurinha que fazem!... Claro que estamos a generalizar.
A nós sempre nos ensinaram que "o crime não compensa", mas assistimos a partir dos anos oitenta ao desplante de quadros portugueses formados em universidades a tentarem incutir nas empresas, um novo hábito acabadinho de chegar da "estranja" e que "rezava" assim :- « O que hoje é verdade, amanhã poderá ser mentira!» Tal e qual...
O que é lamentável, para não lhe chamar coisa pior, é ver como esta gente que luta para vencer sozinhos, tenta semear tudo o que lhe é transmitido, quando sabe que está a ir pelo pior caminho e com consequências difíceis de imaginar para um povo, que, vai ver-se confrontado, mais dia menos dia, com contradições difíceis de superar! Quem leu "QUANDO OS LOBOS UIVAM", sabe aonde queremos chegar, mas, infelizmente, a ganância roubou o discernimento a filhos de muito boa gente e o mal foi começar!...

-Com o que Pedro sara, Sancho adoece!

Etiquetas: escritores; neo-realismo; ruralidade; complexidades; números; hábitos; tribunais plenários; tradições; partidos políticos.

sábado, 25 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! ( 9ª e última parte )

Assim que entramos na zona demarcada, pareceu-nos que o encontro com a Régua foi bem mais rápido do que estaríamos à espera, e, aí, pudemos ver uma cidade do interior com uma vida própria assinalável e até um pouco agitada, porque a rota do vinho tem a virtude de "atrair" o turismo, agora através das três frentes conhecidas e que são o comboio, os barcos de recreio e as auto-estradas... Este turismo de que falamos, chama muito mais pessoas, estrangeiros e portugueses, desejosos de conhecer a região demarcada do Douro e uns e outros são unânimes em tecer elogios às belas paisagens que desfrutaram, e, por via disso, fizeram questão de guardar não só nas suas memórias, mas também em máquinas mais ou menos sofisticadas a quem não deram tréguas durante as horas que durou a viagem, para que mais tarde, já em ambiente familiar e de amigos, poderem rever as imagens com as quais se encantaram! De resto, não será por acaso que se diz em bom português:-« Recordar é viver duas vezes!...»
Ao longo da viagem de cerca de seis horas, deu para notar que os nossos hábitos gastronómicos diferem um pouco dos estrangeiros, que, apreciam melhor os nossos vinhos, porque para lá da refeição, fizeram questão de continuar a saborear os bons vinhos desta região demarcada, demonstrando um prazer e uma alegria para lá do comum dos portugueses!
Achamos oportuno focar aqui um outro aspecto que poderá não ter sido salvaguardado, tendo em conta as diferentes realidades desde a Foz do Douro até se atingir a região demarcada. Estamos a referir-nos às contra-partidas, que quanto a nós se justificariam, porque, quer se queira ou não admitir, a bacia do Douro não é homogénea... E, por não ser homogénea, houve formas de vida que foram sacrificadas devido à subida do nível das águas em todo este Baixo Douro e que nem sequer os dinheiros irão resolver!... Relembremos aqui a melhor agricultura de toda a zona ribeirinha, passando por todo o tipo de pesca sazonal e que dava muita vida pelas freguesias e lugares ao redor desses extensos areais, já para não falarmos no corte radical que foi feito às ligações ancestrais, já com centenas de anos e que diariamente eram feitas pelo rio, nos casos de Pedorido e Rio Mau, Sebolido/Cancelos e Midões e Melres e Lomba... Só para citar os exemplos que melhor conhecemos! Tudo isso passou a fazer parte da História e das memórias ainda vivas das gentes que ali despertaram para a vida e que não esquecem o passado colectivo!
É difícil perceber e mais difícil ainda é aceitar, que não tivessem previsto neste grandioso projecto o respeito pelo rico historial destas gentes ribeirinhas, num "chega p'ra lá", intencional ou não, mas que foi muito feio e que merece ser aqui denunciado!!!

-Um abraço fraterno para toda a região duriense!

Etiquetas: turismo, comboio, interioridade, memórias, povos ancestrais, pesca sazonal, gentes ribeirinhas, rios e afluentes.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! 8ª Parte



A seguir a Entre-os-Rios ficamos com curiosidade por chegar à foz do rio Paiva, por ser um afluente por quem temos uma simpatia especial e que vem de há muitos anos! A simpatia surgiu quando deram a conhecer que era dos rios menos poluídos da Europa e por roçar pelos limites do nosso distrito... E foi reforçada, depois de sabermos dos desportos radicais que ali se praticam, porque é uma das várias formas de dar a conhecer belas e naturais paisagens e nos sítios mais escondidos do interior deste bonito país!
A Ilha dos Amores surge a anunciar a proximidade do rio da nossa simpatia, mas também foi giro rever o Castelo e o Escamarão, que nos trouxeram lembranças de gentes mais antigas e que sabe bem recordar, porque ajudaram de alguma forma à nossa identidade!
Finalmente a barragem de Carrapatelo e a 2ª eclusa, que após uma operação demorada, que decorreu com toda a segurança, após vencer um desnível com quase o dobro do de Crestuma!... Aqui, mais uma vez nos vimos confrontados com a história e com uma das obras do grande Camilo C. Branco, quando descreve com a arte que se lhe reconhece a passagem por estas bandas do Douro da quadrilha do Zé do Telhado, o tal que tirava aos ricos para dar aos pobres e tudo isto há pouco mais de cento e cinquenta anos!... Conta-se, que terá sido o primeiro escritor em Portugal a viver à custa dos seus trabalhos literários, isto em pleno século dezanove!
Nesta nova albufeira até à Régua, deu para perceber, que flutuávamos em águas mais profundas, porque deixamos de ver as marcações a vermelho, que desde a saída do cais de Gaia foram uma constante rio acima. Começamos a notar que entrávamos numa vasta zona de floresta acentuada e em ambas as margens, aqui e além, com uma ou outra casa isolada, de acessos bem difíceis, razão porque nesses sítios, umas pequenas lanchas encostadas à margem, davam a perceber, que será através do rio, que fazem os seus contactos com o mundo exterior... Por vezes, não muitas, éramos surpreendidos com a presença das garças, uma ave que não esperávamos encontrar por ali!... Fazem parte da chamada bio-diversidade, bem real e nada fácil de ser entendida pelos humanos...
Esta sucessiva monotonia, só iria mudar bem lá mais para cima, especialmente a partir do encontro do comboio com o rio na margem direita, onde a presença do casario começa a ser mais constante e a presença humana começa a ganhar mais consistência e que será como que o prenúncio da proximidade de um outro Douro, o chamado Douro vinhateiro, onde as vinhas já antes da Régua, surgem em ambas as margens devidamente ordenadas pela mão dos humanos, na forma de socalcos até ao cume das encostas, num aproveitamento e perfeição, que à distância lhes dá uma beleza única e que todo o mundo admira!...

-Este post é uma cópia do que publicamos no blogue PEdorido.com

domingo, 19 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! 7ª Parte



Nunca escondemos que trazemos bem gravado o rio mais antigo e por razões muito especiais e diversas, que nem serão difíceis de imaginar!... Daí, navegarmos, quase convencido, que poderemos ser o único a bordo deste barco de recreio, que conseguirá ver ou imaginar, outros rios e outros cenários que já desfrutamos neste mesmo Douro, donde não é possível separar os belos e naturais areais, que eram diversos e que hoje estão submersos, para não dizer escondidos, e, que tantas vezes pisáramos...
Este nosso apego às memórias, que não nos largam, fez com que "desligássemos" por muitos minutos e nem prestássemos a devida atenção aos pequenos lugares ribeirinhos de Cancelos, numa das margens e de Midões e Gondarém na outra margem, sendo que estamos ligados por laços afectivos a este último povoado! Sabemos que a nossa mãe é dali natural e há indícios de que os antepassados do lado paterno sejam oriundos de Rio de Moinhos, o que equivale a dizer que somos um duriense dos sete costados...
Ainda durava o almoço quando atingimos Entre-os-Rios, povoação antiga e ribeirinha, não só do rio Douro, mas ainda do Tâmega que ali resolveu entregar-se duma forma pacífica ao grande rio e de forma idêntica ao Arda da outra margem em Pedorido!
Pudemos constatar que no presente, Entre-os-Rios dispõe de três pontes para desfrutar, mas terá ficado muito marcada pelo trágico acontecimento de 2001! Constatamos que alguns dos portugueses que viajavam neste barco comentavam o sucedido, sinal de que o país não se libertará tão cedo da tragédia que se abateu sobre as gentes desta zona do Douro... Foi péssimo, porque se perderam tantas vidas humanas e de seguida foi terrível ter de assistir ao desfile hipócrita de gentinha que aspira ao protagonismo a qualquer preço e que o tempo veio pôr a nu, se dúvidas houvesse!... ( Continua )

Nota: Esta é uma cópia do post publicado no blogue PEdorido.com

Etiquetas: Tâmega, Rio de Moinhos, Entre-os-Rios, Arda, pontes...

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! 6ª Parte



Isto é muita emoção para tão poucas horas! Ainda saboreávamos o paladar deste "novo" Pedorido e de seguida caía-nos bem à nossa frente a bonita e solarenga aldeia de Rio Mau, que já compararam com terras bem distantes... Quanto a nós, Rio Mau só é comparável consigo própria, porque é única e tem o seu próprio padrão! Seria como comparar este Douro navegável com o rio Tejo, que não são comparáveis, de forma alguma! O Tejo orgulha-se do grande estuário e de ser como que o anfiteatro natural da grande capital, mas o Douro "arrasa" com a sua identidade própria, que todo o mundo reconhece e já considerou património mundial! Penso para mim, que cairmos na tentação das comparações, estaríamos, talvez, a ir atrás dum qualquer sentimento de inferioridade, ou de coisa semelhante, que não faria sentido algum...
Acentuemos, isso sim, a componente humana do povo desta terra, que no seu todo, sempre se distinguiu pelo apego e amor à sua terra, e, que, quanto a nós, estará na base do que é muito justamente comentado como um sucesso colectivo!
De referir que em 1950, a pequena aldeia de Rio Mau era um pequeno lugar, onde só lhe conhecíamos uma pequena e artesanal oficina de colmeias, uma agricultura pobre e de subsistência e com gente humilde e bem disposta, que soube encontrar nas minas de Germunde, nos rabões da Carbonífera, na pesca no Douro e até na emigração, a forma honesta para a sobrevivência e para "mais altos voos"! A coesão deste povo decidido, viria a dar os frutos que estão à vista, e, sem desprimor, por quem quer que seja, entendemos da maior justiça, relembrar aqui, a figura e os exemplos de trabalho do saudoso padre Manuel que ainda conhecemos no final dos anos quarenta, éramos ainda uma criança!
Há um pormenor que ainda hoje transportamos connosco rio acima e para o qual ainda não conseguimos encontrar resposta convincente... Em boa verdade, desconhecemos em absoluto, se foi a coesão deste povo que "ganhou" o padre Manuel, ou, se, pelo contrário, teria sido a forma de estar no mundo daquele abade que "conquistou" toda aquela gente!... Ou seriam as duas coisas que se conjugaram? Será que alguém sabe?!...
Tudo isto, acudia em catadupa à mistura com recordações de factos de vária ordem e vividos no final dos anos quarenta e que tiveram continuidade até aos magníficos anos sessenta e que fizemos questão de "armazenar" com todo o carinho, porque fazem parte das nossas boas recordações e dos melhores exemplos que queremos perservar até ao fim!... É nesta fugaz volta pelo passado, que nos faz esquecer por largos momentos o realismo das paisagens durienses, mas às doze horas, fomos "acordados" através do altifalante para que descêssemos, porque ia ser servido o almoço... Apesar de Rio Mau e Pedorido terem ficado já para trás, fiquei só no exterior do Pirata Azul a digerir as emoções e convencido de que nenhum dos acompanhantes terá suspeitado das nossas raízes e deste nosso envolvimento a toda esta região do Douro!

- Um grande abraço para os nossos conterrâneos de Rio Mau!

Nota: Esta é uma cópia do post que publicamos no blogue PEdorido.com

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! 5ª Parte




Teriam decorrido cerca de duas horas de viagem e Germunde aparecia já ao alcance da nossa vista! De propósito, preferimos um espaço isolado, donde fosse possível não só olhar, mas também esconder alguma emoção, porque não foi em vão que ali acordamos para o mundo do trabalho e onde viríamos a criar boas amizades, tudo isto durante a nossa juventude!
Assim de repente e volvidos quase cinquenta anos muita coisa mudou!... O lugar é o mesmo, mas nota-se o silêncio do abandono depois do fecho das minas da Carbonífera! Até o teleférico que escoava o carvão retirado às entranhas sumiu, o que leva a supor, que às estruturas metálicas que por ali abundavam terá acontecido coisa semelhante!... O arvoredo, tomou conta de grande parte de toda a zona inclinada até ao rio e devido a essa metamorfose o verde está muito mais acentuado e o negro já perdeu a expressão de outrora o que não deixa de ser normal em consequência do fecho das minas!... Mas, há um outro pormenor, que memorizamos dos anos cinquenta e sessenta e que já não é possível visionar, aqui, nesta margem esquerda do Douro... Estamos a relembrar a "frota" de rabões, aqui bem perfilados e ancorados à espera de vez, para receber a carga de carvão e partir de seguida, rio abaixo, a caminho dos cais de Campanhã e do Porto, com a finalidade de movimentar uma boa parte deste País!
Se dúvidas houvesse, o edifício do Poço Mestre continua ali firme, e, a destacar-se, como que a assinalar um pouco mais acima, a meio da encosta adjacente ao rio Douro, toda a história de várias gerações de mineiros!!!!.... Faltará ali, sòmente, o símbolo que melhor representaria toda a época mineira e estamos a referir-nos ao briquete incandescente... Visto ao perto e do rio Douro seria como que a homenagem certa no lugar certo!
Mas as emoções não iriam ficar por ali, porque de seguida, Pedorido e Rio Mau surgiriam como que apressadas, mas tiveram que ser pacientes, e, perceber, que, o nosso imaginário iria perder-se por algum tempo de volta às recordações do que foi a quinta de Fornelo, ali, com o rio a seus pés e que mais parecia um jardim durante os doze meses do ano e onde fomos tão feliz!!!...
E, eis, que, de repente, aparece o esplendor da igreja da nossa aldeia de Pedorido, devidamente enquadrada com o Douro e com o ambiente, e, que, só agora, deu para perceber da visão e da competência do pessoal técnico dos anos quarenta! É claro que os tempos ocasionaram diversas alterações físicas no meio, mas, ficamos com a ideia de que a aldeia estará mais ribeirinha e mais aconchegada, porque se terá abandonado a ideia de outrora de construírem as novas casas nos pontos mais altos e de difícil acesso. Com o fecho das minas o pensamento das novas gentes poderá estar à procura de voltar à proximidade dos rios e poderá ser como que um retorno a um passado mais longínquo!... Vendo por esse lado, será mais original e talvez mais primitivo, uma espécie de reconciliação com os nossos antepassados que muito justamente teriam começado por se instalar desconfortavelmente e com os olhares não muito distantes das margens do Douro e do Arda!
Todo aquele enquadramento actual entre o arvoredo mais antigo com as pontes e com a foz do Arda é de uma beleza única em todo o Baixo Douro, e, a praia fluvial, mesmo ao lado, veio dar a oportunidade que sempre faltara aos pedoridenses e àqueles forasteiros que fazem desta praia a sua preferida...
A sensibilidade que fomos adquirindo ao longo da nossa vida, diz-nos, que Pedorido tem agora um aspecto mais jovial e mais bem cuidado, e, parece-nos, que terá perdido aquele ar sombrio e mais escuro de outros tempos!... Do centro deste belo rio Douro, gostamos do que observamos e temos muito orgulho de cá termos vivido até 1963!

-Um abraço do tamanho do Arda!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! 4ª Parte



Custou a despegar o olhar de Melres e da sua ribeira, que sempre havíamos guardado bem lá no fundo e sentimos como que um misto de saudade e alegria, porque nos pareceu, que o actual rio Douro não terá mexido ou alterado o que era fisicamente aquela linda povoação nos anos cinquenta! Por vezes somos traídos pela imaginação, e, no caso, vivíamos com a ideia de que as águas do "novo" Douro teriam "invadido" uma parte de Melres e da sua viçosa ribeira... Foi como que o transportar de um "peso" que carregamos durante muito tempo e, no final, sentirmos o alívio dessa libertação, mas não sermos capazes de encontrar as palavras certas para tamanho alívio...
Quem não se recorda dos mineiros que diariamente transpunham o rio vindos daquela margem, e, que, volvidos trinta minutos eram "engolidos" para as entranhas da terra durante horas seguidas?!... E ao recordar Melres, é mais que justo relembrar aqui, aquele jovem louro, de aspecto nórdico, que dava pelo nome de António Vieira da Rocha, um exímio lançador do martelo no início dos anos cinquenta e que no velhinho campo entre Pedorido e a Póvoa, tantas vezes vimos lançar o engenho a distâncias que para a época eram um espanto!... Bela prática desportiva e a "feijões", que é como quem diz, sem ganhar tostões nem milhões, e, só faltará acrescentar, que, a sua primeira profissão foi como mineiro, e, só mais tarde seria transferido para as Obras, uma espécie de construção civil da Carbonífera! Ou seja o mérito viria depois das provas dadas!...
A Lomba sempre viveu um pouco escondida em resultado daquele ziguezaguear do Douro, mas que soube aproveitar mais tarde aquele grande espaço junto do rio e construir ali uma praia fluvial, onde é notório o bom aspecto de ponta a ponta e que aqui registamos! Dos tempos de miúdo, vem-nos à lembrança os sermões do padre Regadas, cuja fama de orador ecoou pelas terras ao redor e pelos vales circundantes e de que nos recordamos ainda, daquele longo sermão na esplendorosa igreja de Pedorido, onde aquele abade repetiu, vezes sem conta, a frase que seria o título que escolhera e que estivera na origem de tão polémico sermão:-« ... É PERIGOSO DIZER A VERDADE!...» Hoje, temos fortes dúvidas que em meados dos anos cinquenta estivesse a ser entendido por algum dos presentes, dado que se tratava de sermões demasiado filosóficos, teóricos, se quisermos, sem chamar os bois pelos nomes, quando deveria saber-se que se tratava de assistências quase analfabetas e habituadas a trabalhos duros e a vida difíceis...
Achamos curioso, passado todo este tempo, estas recordações "saltarem cá para fora", num sinal para nós, claríssimo, de que não vamos agora, nem amanhã, esconder o realismo de uma época, que também foi a nossa e da qual memorizamos o essencial! E o essencial foi perceber, que, com o passar dos tempos, as mentalidades são capazes de evoluir, e, se, hoje, nos foi possível navegar Douro acima, num barco com alguma dimensão e conforto, não vamos querer esquecer aquele outro tempo em que fizemos idêntico caminho, rio abaixo, rio acima, a bordo de uma pequena lancha, sem comodidade alguma, mas onde reinava a alegria de uma juventude, que, viria, uns anos mais tarde, a dar o seu melhor para as mudanças que o país aplaudiu e que só terão pecado por tardias!...

-Se tens amor à tua região, divulga-a!

Etiquetas: Religiões, rios, mentalidades, filosofia, atletismo, Melres, Lomba, minas, barcos, Douro, praia fluvial, mestre Arnaldo, padres.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! 3ª Parte





As duas cidades ficaram lá para trás e podíamos dizer que esquecidas, e, assim que subimos na barragem de Crestuma, sabíamos que estávamos no mesmo nível das águas na foz do Arda! Começamos por ouvir os esclarecimentos na nossa língua, claro, mas também em inglês, espanhol e francês, de que à nossa esquerda podíamos ver as antigas instalações da central térmica da Tapada do Outeiro e que fora alimentada até 1994 pelo carvão proveniente das minas do Pejão... Conhecíamos bem demais a história, mas este relembrar, que correspondia na íntegra, apenas veio avivar, só isso!...
A partir dali, já nos começávamos a familiarizar com estas margens e foi bom até pela diferença com outros tempos, poder apreciar os diversos tipos de canoas que treinavam com afinco, rio acima, porque gostamos da envolvência e do contraste que mantinham com o rio e com o verde do arvoredo, que era diversificado e de vários tons de verde, e, de outras cores, que davam um contraste singular e de que não estávamos à espera!... A Natureza no seu melhor!
Foi bom rever Pedemoura e Melres volvidos mais de cinquenta anos e será justo relembrar aqui o veterano Zé Noronha, um homem que se prontificava com paixão a combinar e a capitanear os encontros de futebol amigáveis entre Pedorido e os jovens daquelas terras ribeirinhas e onde os jogos iam até ao fim e sem a presença de autoridades!... Naqueles tempos os jovens da nossa terra tinham muita boa qualidade técnica, e, nem seria difícil ao Noronha formar equipas ganhadoras e tem alguma graça recordar, que todos pagavam a viagem da lancha!... Bons tempos, de boas amizades e de alguma ingenuidade à mistura!...
Voltando ao rio para focar o singular ziguezaguear do Douro, que por alturas da Lomba parece baralhar-se a si próprio, como que a hesitar, se há-de ir, se há-de parar e voltar atrás, e, quase nos deixa baralhados a nós também... Um pouco mais acima, vamos deparar com o que nos pareceu uma decisão acertada, quanto à escolha da pista internacional de canoagem para Melres, porque beneficia do tal serpentear do rio, mas também da sublime encosta na margem direita, que, por ser bastante elevada, não vai permitir que os ventos marítimos ali se façam sentir! Ainda acontecem boas decisões neste belo país!...

-Recordar é viver duas vezes!

Nota: Este post é uma cópia do que publicamos no blogue PEdorido.com

sábado, 11 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro! 2ª Parte



Diz-se que foram tempos difíceis, e, felizmente, que ainda podem ser testemunhados por um bom número de pessoas ainda vivas e que resistem por todo esse Couto Mineiro - agora desactivado - porque as memórias não se inventam e até resistem aos maus tratos, a maioria das vezes ocasionados por vidas difíceis e pelos piores isolamentos que ninguém escolheria, se ainda pudesse fazer escolhas!...
Essas realidades de um passado não muito longínquo, servirão quando muito para que se retirem as ilações dos valores que as sociedades devem livremente adquirir ou rejeitar, por forma a viverem dentro de padrões aceitáveis e dignos. Esta bagagem nunca está seguramente adquirida, pensamos nós, mas é um facto que foram dados passos nesse sentido, agora há que evitar o retrocesso!...
Pelas recordações de há cinquenta anos - quase uma vida! - tínhamos alguma curiosidade de conhecer melhor o mais recente e actual rio Douro e as zonas que lhe estão adjacentes em ambas as margens e que já não seriam bem iguais!... Nem estamos a referir-nos às zonas ribeirinhas do Porto e Gaia, que, excluindo a presença dos barcos que fazem os Cruzeiros e ainda dos barcos rabelo, que são uma cópia um pouco aproximada, mantém-se no essencial o que sempre foram as duas margens, e, só notamos uma recente novidade entre o cais de Gaia e o quartel do monte da Virgem, sobranceiro ao rio. Está ali em construção um novo teleférico, em fase bastante adiantada e que irá ligar aqueles dois locais da cidade de Gaia, pelo que nos foi dado observar...
Demos início à subida com o mar Atlântico na maré baixa, e, talvez, por esse facto, podemos constatar a grande diversidade de aves com que íamos deparando ao longo do rio e foi uma constante até à barragem de Crestuma, e, se, não nos falhou a contagem, foram seis as pontes memorizadas, se contarmos com a ponte D. Maria, entretanto, desactivada. Não resta qualquer dúvida que ali se aplica o ditado popular:- « Não há fome que não dê em fartura!...» ( Continua )

Nota: Este post é uma cópia do que publicamos no blog PEdorido.com

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Pedorido visto do rio Douro!



Nos últimos anos vacilamos muito se devíamos ou não subir ou descer o rio Douro!...
Tínhamos um confronto interior que não será fácil de explicar, uma vez que são questões que vamos colocando a nós mesmos em certos momentos da nossa curta existência, e, que, nem sequer se prendem com o bem e o mal, mas, unicamente, com a nossa forma de imaginar toda uma região a partir do momento em que fomos sendo preparados desde muito miúdos para um rio, que já viria de muito longe e com cujas actividades nos fomos identificando, ao mesmo tempo que íamos, nós e os outros, partilhando vivências de tarefas que eram dos rios ou que a eles estariam associados.
Mas há aqui aspectos, que queríamos deixar bem claros e que gostávamos de partilhar com os nossos conterrâneos... O primeiro aspecto é que sendo nós um duriense dos anos quarenta, transportamos connosco esse Douro já um pouco antigo e que guardamos quase religiosamente, com profundo respeito por todas as criaturas que conhecemos e com quem convivemos, e, que, como nós, conheceram e amaram os rios Douro, Arda e os demais!... Claro, que estamos a referir-nos e a citar as gentes de Pedorido e Rio Mau, mas também da Póvoa, Sebolido, Melres, Lomba, Oliveira do Arda, Raiva, Folgoso e Serradelo! Todas estas gentes tinham um ponto em comum e de grande coesão, que lhes advinha do facto de se encontrarem de segunda a sábado na mesma labuta e num mesmo trabalho na única companhia a laborar no Couto Mineiro do Pejão!...
Entretanto, esses tempos já passaram e, por coincidência, ou não, os rios viram-se também transformados, os grandes areais do Douro foram escondidos com a subida das águas, os pescadores de Pedorido e Rio Mau passaram a ser uma miragem naquele grande e belo areal de Pedorido, porque ainda temos bem presente, como eram tão ágeis a manobrar os pequenos barcos da pesca ao sável, enquanto outras mãos se prontificavam a deixar cair para as águas "lamacentas" do Douro, uma rede previamente ordenada numa das zonas do barquito de sete metros e de forma a não comprometer toda a tarefa, do princípio ao fim, e, até completar numa espécie de U, já em pleno areal, aquilo que seria uma armadilha para um peixe, que subia sempre apressado na mira duma desova, depois de muitas milhas vencidas e que visava garantir a continuidade da espécie!... E, será que o apressado sável, depois de ter escapado à captura pelas redes montadas a partir de areais a jusante, iria vencer mais este desafio a lançar por pescadores tão experientes como os que operavam no nosso areal de Pedorido?!
Diz-se, que foram tempos difíceis... ( Continua )

Nota: Este post é uma cópia do que publicamos no blogue PEdorido.com

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Imaginar Pedorido, os seus rios e as origens!...





Fisicamente Pedorido é como é, mas, pensamos nós, que há largos milhares de anos tudo seria bem diferente e duma forma que a nossa imaginação dificilmente visualizará, mas com os poucos dados de que dispomos, vamos tentar criar algumas ideias, que poderão ter estado no princípio do que foi o estabelecimento da vida humana nestas encostas adjacentes ao Douro, ao Arda e a toda esta vasta região...
É muito provável, que este fosse um corredor de passagem para os diversos povos nómadas que seguiriam os cursos de água como meio de orientação e até da sua própria sobrevivência e a começar pelos mais importantes, como era o rio Douro, mas, é de crer, que outros afluentes também "atraíssem" os mais diversos tipos de tribos, que, naturalmente, viveriam isoladas e se entenderiam por gestos e outro tipo de expressões à falta de dialecto... As margens do Coa, mais rochosas, deixaram testemunhos inequívocos da passagem destes povos mais primitivos e as suas pinturas expressam precisamente o estádio do seu intelecto há cerca de vinte mil anos! Não dominavam qualquer tipo de alfabeto e é de admitir que também deambulassem por estas paragens onde fica hoje Pedorido, que serviria como ponto de passagem. É provável que se atrevessem a mudar de margem, mas só quando o caudal do rio Douro permitisse e é quase certo que tenham usado o tronco das árvores como primeiro meio de transporte fluvial e aproveitando a correnteza do rio!
Seguramente que estávamos perante uma vegetação muito diferente da que chegou até nós, muito propícia ao desenvolvimento de uma abundante diversidade de caça grossa, a julgar pelas pinturas do Coa...
A fixação bastante mais tarde a uma determinada zona, trouxe como consequência lógica a mudança de hábitos e é bem provável, que, já nesta altura, tivesse tido início uma espécie de dialecto, quando o apego à terra gerou o aparecimento da agricultura, enquanto mantinham os hábitos ancestrais da caça e da pesca e se embrenhavam pela primeira vez na pastorície onde iriam buscar o leite, a carne e a lã para um vestuário que muito ajudaria ao seu agasalho! Esta fixação aos locais iria gerar o surgimento de novos fenómenos a começar pela construção de tipos de habitação débeis e muito precários, assim como o surgimento de guerras entre tribos ou etnias, uns porque queriam manter o que consideravam sua pertença, enquanto que os invasores se achavam com direito à conquista e a não permitir que outras formas de vida se instalassem!...
Todos estes processos teriam sido lentos, demasiado lentos, para a nossa compreensão actual, e, nenhum de nós, estará agora a pensar, que será o descendente de homens e mulheres, que viveram e deambularam durante milhares de anos por estas paragens, com uma simples tanga, que caçavam de arco e flecha e que estariam bem longe de imaginar e ver o que os nossos olhos viram naquela ribeira do Arda há apenas sessenta anos, na década de cinquenta, uma agricultura que mais parecia um jardim, só trabalho do homem e que contava com a ajuda do arado e das juntas de bois, assim, como também estariam bem longe de imaginar, que volvidos cerca de vinte mil anos, muitos dos seus descendentes iriam tornar-se mineiros, um modo de vida a que chamaram profissão e que não estaria no horizonte daquelas gentes tão primitivas, que, ao longo dos tempos, se foram misturando com outros povos, que, por cá, haveriam de aparecer, vindos de sítios tão distantes como as estepes asiáticas!...
Digam lá, pedoridenses, não foi um bom exercício repensar as nossas origens?!...
E, já teriam sequer sonhado ter feito parte, embora de forma indirecta, de vidas tão primitivas e desconfortáveis?!...

-UM POVO SEM MEMÓRIA É UM POVO SEM RUMO!

Nota: Esta é uma cópia do post publicado no blog PEdorido.com

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Desabafos de um Barco do Douro! ( Parte 5 )

...« É este "chega p'ra lá" que até a nós custa a "engolir", quando se percebe que as dificuldades com as vistorias e certidões aos pequenos barcos como nós, são a ante-câmara de uma morte anunciada, uma vez que se trata de exigências que visam cansar os donos e familiares dos poucos barcos que vão restando Douro acima... Tudo isto para quê?! Para que se invista nos barcos de fibra e a motor, de preferência, como, se, de repente, este país passasse a ser o país das maravilhas, que não é, nunca foi, e não será nos tempos mais próximos!
Vivemos com o "credo na boca", porque nem sabemos o que pensa o meu actual dono, se é que tem alguma posição, porque este é outro mal por aqui enraizado, sendo muito frequente deparar com pessoas que se auto-marginalizam dos seus interesses, mantendo uma posição dúbia em que "nem são peixe nem carne", facilitando com a sua posição os que se organizaram e que conhecem bem demais os pontos fracos das boas gentes ribeirinhas...
Gostamos do que somos e nunca aspiramos vir a ser um outro barco, mais soberbo, a começar por umas linhas mais arredondadas, cheias de estilo e com cores próprias de paisagens exóticas, equipado com motor de alta cilindrada e com altas garantias de que não polui as águas, nem as margens, com baixo consumo, mesmo nas altas rotações, mas depois lá se descobre que nem é tanto assim, mas o negócio já está consumado e... "p'ra frente é que é Lisboa"!
Querem um outro exemplo, aqui vai:- O meu actual dono, que foi mineiro nas minas de Germunde e com algum prestígio na classe, nunca se pronunciou junto de mim e desconheço em absoluto o que pensará, mas nós não somos assim tão estúpido e lá vamos tirando algumas conclusões! Como é bastante conhecido em toda a aldeia, relaciona-se com muita gente e até com pessoas que regularmente vêm rio acima, nas suas lanchas com barco a motor, e, pelo que vamos "escutando" o centro das conversas continuam a ser as minas, os poços, as galerias, os mineiros e as suas histórias, onde é inevitável falar-se de todas as peripécias que acompanharam o fecho das minas de carvão em noventa e quatro, mas, curiosamente, nunca se debruça acerca das questões actuais e futuras do rio... Quer-me parecer, que esta criatura, que me parece bom homem, não será bem um pescador, daqueles que em tempos idos viviam do rio e para o rio e já o "apanhei" a comentar com pessoas amigas, que gostava de vir ao rio distrair-se, apanhar o ar puro que vem canalizado do Atlântico, mas que fazia "disto" um "hoby", porque tinha a sua reforma de mineiro e que não estava para se chatear muito... Confesso que ficamos tristes, amargurados e até a nossa madeira parece que mudou de cor e pela primeira vez sentimos calafrios muito próximos daqueles que os humanos, por vezes sentem, porque a nossa imaginação diz-nos, que, situações destas serão "o pão nosso de cada dia", e, se isso for certo, o nosso fim poderá estar para breve!... Quem nos acode?!... »

- SE GOSTAS DA TUA REGIÃO, NÃO HESITES, DIVULGA-A!

Nota: Esta é uma cópia do post que publiquei no blog PEdorido.com

Desabafos de um Barco do Douro! ( Parte 4 )

... Somos um barco já com muitos anos no Douro e assistimos ao marasmo de largos períodos, que foram o que foram e que já ninguém poderá remediar! Quando muda o paradigma, fica-se com a sensação de que se passou para um certo deslumbramento que iria ter repercussões em toda esta bacia do Douro, e porquê?! Comportaram-se de certa forma, como se passássemos de pobres a ricos, da noite para o dia e decidiram ignorar, pura e simplesmente, as gentes ribeirinhas, fazendo de conta que por cá já não morasse viv'alma, num claro desprezo pelas populações que por aqui habitam há centenas de anos e com fortes ligações aos rios, sim, porque os afluentes fazem parte do rio Douro, aliás, sem eles, o rio Douro não passaria de um riacho em boa parte do ano!...
Claro, que os homens dos negócios só sabem negociar, querem ganhar dinheiro e até nós barcos percebemos essa gente, mas as regras e os compromissos nunca deveriam ignorar os reais interesses da tão apregoada bio-diversidade em toda a bacia do Douro, onde estão incluídos os afluentes e depois de todas as salvaguardas, que ganhassem todo o dinheiro possível e imaginário que ninguém levaria a mal!... Só que as pressas oportunísticas e o protagonismo de quem quer a todo o custo ficar na história, ensombra-lhes a racionalidade, ao mesmo tempo que sobressai a arrogância, que será dos defeitos piores a que os humanos tanto gostam de deitar mão, e, a partir daí, não fazem um esforço mínimo para parar e escutar razões e anseios de quem está farto de ser abandonado e esquecido, e, com todos estes erros de palmatória, que já vêm de muito longe, desbaratam em três tempos aquilo que poderia ser um bom sonho para os novos tempos...
Enquanto estamos por aqui "atracados" na Lingueta, horas a fio e às vezes até dias, aproveitamos para magicar em tudo isto, e, "vimos" com alguma clareza o que nos espera e pensamos com toda a lucidez possível, que, se notamos esta falta de respeito primário para com os humanos, muito mais fácil será "determinar" que se abata este tipo de embarcações, que, tal como nós, valboeiro, vêm do rio antigo e já não se "enquadram" no tal novo-riquismo inventado pela cabeça desta gente, que é uma pena ainda não terem acordado para a vida... Infelizmente, não lhes interessa perceber que as realidades existem, e, são o que são, e, nem essa gente, nem ninguém, irá mudar as realidades que são diversas e salutares, até porque será culturalmente um contra-senso dificultar a nossa continuidade neste rio Douro, só porque tornaram possível a subida e descida de iates e de outras embarcações de recreio e lazer! ( Continua )

UM POVO SEM MEMÓRIA É UM POVO SEM RUMO!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Desabafos de um Barco do Douro! ( Parte 3 )

... O facto de estarmos agora aqui atracado ou "amarrado", se quiserem, na Lingueta, não significa que tenhamos sido abatidos ou coisa parecida, para já!!!!!...... Nada disso, até porque temos um "dono", que é um termo pouco do nosso agrado, uma vez que apreciamos de verdade o termo de barqueiro e não é só pela terminologia ser a mais correcta, nada disso, mas por vir do antigo, das nossas origens, com que nos identificamos e de que temos uma enorme saudade, que nem será difícil de aceitar... Mas, se essa aceitação for assim tão custosa, nós até percebemos sem que a aceitemos, obviamente!... Julgamos conhecer as principais razões do que foi acontecendo ao longo dos tempos para estas bandas do Douro, e, não nos conformamos com a proporção a que as coisas chegaram, e, é nestes momentos, que são raros, quase únicos, que gostaríamos de ter uma espécie de boca com língua para poder "falar", mesmo de maneira diferente dos humanos, com quem não queríamos "pedir meças", nada disso, mas somente poder "trazer à baila", factos verídicos e passados com outros humanos, que connosco lutaram lado a lado e que deram quase uma vida inteira pelo seu rio, e, não estou só a lembrar-me de barqueiros e pescadores anónimos, que ora eram uma coisa, para de seguida serem a outra, sem esquecer os pequenos lavradores ou simples caseiros, que sobreviviam com o muito pouco que retiravam das terras que eram dos donos, sujeitando-se "anos a fio" sem um queixume e recorrendo sazonalmente aos rios, para deles receber a parte que as terras não conseguiam dar!
Lá porque somos um barco, não perdemos a sensibilidade e achamos que não favorece a sociedade actual e futuras, este corte quase radical com o passado, de desrespeito e até desprezo com as gentes ribeirinhas, que será a consequência de falhas graves e culturais, que já virão de trás, em que as responsabilidades serão de todos, mas que deverão ser repartidas de forma desigual, cabendo aos mais responsáveis as maiores culpas, porque é muito feio arranjar sempre desculpas, como é timbre neste território que tem o rio Douro e que nós adoramos! ( CONTINUA )

Nota: Cópia do post que publicamos no blogue PEdorido.com